Recém-adquirido, este apartamento em Porto Alegre não atendia às necessidades da família: um casal e quatro filhos adolescentes. O living, de 27m 2 , precisava de uma nova disposição e os dormitórios teriam de receber mobiliário sob medida e forro, em gesso. Um dos desafios da arquiteta Karen Haas foi ambientar o quarto que abrigaria os dois filhos mais velhos, uma moça e um rapaz, com apenas 10,50m 2 de área. Na composição do estar, o sofá existente tinha de ser aproveitado e a cor branca, preferida da cliente, deveria prevalecer. Tons intensos poderiam ser escolhidos para os detalhes. O casal, apreciador de peças de design arrojado e inovador, esperava ser surpreendido com a proposta da profissional, cujo trabalho conheceram pela internet.

 

Quando recolhida, a estrutura fica praticamente imperceptível no forro, uma vez que o acabamento externo foi feito em resina branca. Executado em MDF, o mobiliário combina laca branca fosca e brilho. No living, o trabalho de forro levou em conta as vigas existentes. A arquiteta tirou partido das mesmas para executar um jogo de rebaixos com espelhos aplicados, buscando inserir movimento e dinamismo ao ambiente. Preservado, o sofá recebeu novo revestimento em couro sintético branco, e foi envolvido por um aparador/estante projetado para o local. Uma ‘namoradeira’, em tecido acamurçado, foi incluída no ambiente, ampliando o número de assentos, como era desejado pela família. O piso, em mármore branco, também foi mantido e recuperado.

 

Sobre ele, Karen dispôs um tapete cinza médio de pelo alto, com brilho, “para estabelecer o contraste e conferir aconchego”. Para obter certa transparência e requinte, especificou mesa lateral e pufes em acrílico. Cortinas do tipo romanas garantem privacidade aos espaços. Sendo a base cromática o branco, as cores preto, vermelho e berinjela foram pontuadas nos objetos decorativos. A proposta luminotécnica desenvolvida tirou proveito da volumetria interna, visando possíveis cenários, já que a cliente aprecia os efeitos de iluminação.

 

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *